Festa literária de Itapecuru-Mirim (FLIM)

“Itapecuru-Mirim! Vejo-te agora, ao brilho do amor puro…”

João Silveira, no poema Itapecuru-Mirim

            A quarta Festa Literária de Itapecuru-Mirim FLIM 2021, evento que vem sendo realizado pela Academia Itapecuruense de Ciências, Letras e Artes (AICLA), está programada para acontecer no período de 27 a 30 de outubro 2021 com uma vasta programação e a participação das escolas da rede municipal, estadual, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão – IFMA – Campus Itapecuru-Mirim,  UEMA (Universidade Estadual do Maranhão – Campus Itapecuru-Mirim), escolas particulares e várias instituições parceiras, FECOMÉRCIO/SESC, Biblioteca Pública Benedito Leite, Casa de Cultura Josué Montelo.

            A primeira FLIM foi realizada em outubro de 2018. O evento  nasceu de um sonho de ver surgir no município de Itapecuru-Mirim, outrora uma região de notáveis intelectuais,  uma cultura letrada que impulsionará a formação de leitores em sintonia com o Plano Nacional do Livro e Leitura, que visa, por sua vez, o desenvolvimento cultural do país, conforme os seguintes eixos: 1- Democratização de acesso ao livro; 2 – Formação de mediadores para o incentivo à leitura; 3 – Valorização institucional da leitura e o incremento de seu valor simbólico; 4 – Desenvolvimento da economia do livro como estímulo à produção intelectual e ao desenvolvimento da economia nacional.

            O sonho de realizar a FLIM se contrapõe ao que comumente costuma-se dizer que o brasileiro não gosta de ler, haja vista entendermos que está por traz dessa frase toda uma herança cultural que não criou práticas sociais de leitura, a ausência de espaços que privilegiassem as ações de leitura e a falta de estrutura das bibliotecas públicas municipais que não atendem aos usuários com estratégias para criar um acervo satisfatório com meios para buscar a atenção dos prováveis leitores. Estes fatos somam-se com o atual momento de crise política que o país vive, já que a exacerbação da violência em todas as esferas e o cenário de nossas cidades, cada vez mais populosas, cada vez mais excludentes, impõem imensos desafios para o desenvolvimento de uma prática leitora e uma ação cultural. 

            Assim, considerando que vivemos esse cotidiano e que precisamos de atitudes organizadas da sociedade. Essa compreensão nos leva a perceber que:  

Todos nós moramos nas cidades, e é a partir delas que temos que começar nossas ações para a democratização do livro e da leitura, para ajudar a construir nossa cidade livre e contribuir para a construção de um Brasil mais justo e democrático.  Então temos que trazer essas demandas e a busca de soluções para nossas cidades (…) Só poderemos realmente influenciar no panorama nacional se começarmos a fazer o dever de casa (…) Temos que lutar para que na nossa cidade tenha um Plano Municipal do Livro, Biblioteca e da |Leitura… (LINDOSO, In: Livro, leitura e biblioteca em tempos sombrios,  2017)

Ademais, sabemos que o município de Itapecuru-Mirim sempre foi celeiro de grandes nomes das letras e da ciência, como exemplo: Gomes de Souza, João Lisboa, Henriques Leal, Viriato Corrêa, Mariana Luz, Benedito Buzar, mas essas referências remontam aos séculos XIX e XX. Contudo, somente no início do século XXI, mais precisamente o ano de 2011, surge a Academia Itapecuruense de Ciências, Letras e Artes – AICLA, que impulsionou a produção e divulgação da cultura letrada no município e em vários eventos no Estado do Maranhão, fazendo, dessa forma um significativo papel de propagadora dos talentos artísticos da região.

            Com a sua atuação, a AICLA estimulou a publicação de vários livros e empenhou-se na divulgação do trabalho autoral de seus membros com projetos como o de estímulo a leitura e a produção de textos como: Cafés Literários, AICLA vai à escola, AICLA em Movimento, publicação de antologias com autores inéditos da confraria e com autores novos que estavam querendo publicar seus trabalhos.

O evento, além de reunir seus membros (confrades e confreiras), e os demais artistas itapecuruenses, nomes da literatura maranhense e da cultura do Estado, convidados, terá como foco a população do município e dos municípios circunvizinhos.

A FLIM teve na sua primeira versão a forma de um grande festival literário que deixou a cidade com ar de festa, como bem gosta a população itapecuruense. Houve a feira de livro, shows com músicas de artistas maranhenses, performances poéticas, apresentações teatrais, danças, lançamento de livros, exposição de artes visuais, palestras, oficinas de teatro e de mediação literária. Esse também foi o formato da segunda FLIM, acrescido da distribuição do vale livro, conseguido através de uma emenda parlamentar. (veja as fotos no anexo)

O cenário de pandemia no ano de 2020 inviabilizou a realização da 3ª FLIM de forma presencial como estava programada, mas a Comissão Organizadora resolveu fazer na forma virtual nos dias 09, 10 e 11 de dezembro de 2020, com a utilização das plataformas: Canal da AICLA no YOUTUBE, INSTAGRAM DA AICLA, INSTAGRAM DA FLIM e FANPAGE DA AICLA no Facebook, além do Google Meet.

O lema da FLIM é sempre PRESENVARÇÃO DA MEMÓRIA E INCETIVO À LEITURA. O tema muda a cada ano, conforme os homenageados.

Tema da |1ª FLIM em 2018: LENDO À LUZ DE MARIANA, em homenagem a maior poeta itapecuruense, Marian Luz (1871-1960).

Fotos dos Eventos