Acadêmicos

03 - Nicodemos Bezerra

04 - Cadeira Vaga

 

  • Fundador: Cleylson Silva Veras – renunciou à cadeira (migração excepcional aprovada em Assembleia)
  • E-mail: [email protected]
  • Fundador: Theotonio Fonseca de Sousa – renunciou à cadeira)
  • 2º ocupante - José Raimundo dos Santos Fonseca
  • Fundador: Maria do Socorro Nogueira Polary

 

Artista Plástico e Psicopedagogo (Faculdade Santa Fé – São Luís/MA) nascido em Itapecuru Mirim - MA, em 22 de junho de 1976. De uma família numerosa e humilde, o artista crescera em um lar no qual a religiosidade católica sedimentara em seu espírito valores moral e respeito à dignidade humana que a posteriori haveriam de refletir-se em sua produção artística. Na ambiência da Escola Paroquial São Vicente de Paulo, nos anos de ensino fundamental, onde seus dotes artísticos e um indeclinável interesse pelo fascinante universo das artes manifestaram-se pela primeira vez.
Nos primeiros anos da adolescência Beto Diniz começara a ganhar seus primeiros trocados com desenhos, percebendo que podia profissionalizar-se, conjugando o prazer de produzir arte a uma profissão, buscou desde então o aprimoramento cada vez maior de suas habilidades naturais.
Aos 16 anos pintou seu primeiro quadro como profissional, uma releitura de “A Santa Ceia” de Juan de Juanes, pintor renascentista, onde ilustra a passagem do Novo Testamento em que Jesus institui a Eucaristia. Hoje predominam em suas obras todos os tipos de influências contemporâneas.

Em 26 de agosto de 1999, na sede da União dos Clubes de Mães, reuniu-se com vários Artistas Plásticos e Artesões e fundaram a Associação de Artistas Plásticos e Artesãos de Itapecuru Mirim onde se constituiu como o primeiro presidente da agremiação.
Em 2000, juntamente com Edimar Santos (renomado artista plástico e seu mestre), Teresa Barbosa Maciel (Landi) e outros artistas da Associação de Artistas Plásticos e Artesãos de Itapecuru Mirim realizou a restauração dos altares mor e das imagens sacras da igreja matriz Nossa Senhora das Dores, que são um patrimônio histórico e artístico do município de Itapecuru Mirim.
Realizou exposições individuais no Centro de criatividade Odylo Costa,filho/São luís MA(2002), SESC/Itapecuru-Mirim (2012), Itapecuru Social Clube (2013), Biblioteca Municipal Benedito Bogéa Buzar/Itapecuru-Mirim (2013/2014), Balsas/MA, Alto Parnaíba/MA, Santa Filomena/PI (2001) e outros.
De 2015 a 2016 foi coordenador do turno matutino do tradicional Colégio Leonel Amorim, e até os dias atuais leciona Arte, Filosofia, Sociologia e História nesta mesma instituição educacional. Foi professor na Escola Paroquial São Vicente de Paulo e é membro fundador da Academia Itapecuruense de Ciências, Letras e Artes – AICLA como segundo secretario na primeira diretoria eleita. Na AICLA é ocupante da cadeira nº 05, patroneada pelo ilustríssimo matemático Itapecuruense Joaquim Gomes de Sousa. De 2011 a 2014 foi Presidente do Conselho Municipal de Cultura - Itapecuru-mirim. Em 2015 e 2016 ministrou cursos de desenho e pintura no SESC Itapecuru.

Implantou em Itapecuru Mirim o Programa de difusão da arte e cultura com o objetivo de fazer da arte uma ferramenta de transformação da vida das crianças e adolescentes.

Atendendo aos pedidos do poeta Theotônio Fonseca e da escritora Samira Fonseca realizou a arte das capas dos livros Poemas Itapecuruenses e outros poemas; O batucajé das Iaras (Theotônio Fonseca) e os livros O mistério da Casa da Cultura; Maria Passa na frente e Crystal – uma história de sincretismo e encantaria (Samira Fonseca).

Em 13 de agosto de 2017, Beto Diniz se tornou sócio fundador da Associação Maranhense de Artistas Plásticos – AMAP, elegendo-se membro da diretoria, ocupando a função de tesoureiro da instituição.

Participou no dia 1º de dezembro de 2017 do 5º Salão de Artes Plásticas da Academia Brasileira de Medalhística Militar – ABRAMMIL “Dr Mazza Francesco”, recebendo o Diploma de “Menção Honrosa na Modalidade Pintura” onde foi reconhecido como um artista que contribui para o engrandecimento das Artes Plásticas e integração do Brasil.

Participou da Exposição de Artes Plásticas “Outono com Arte” realizada de 18 de Abril a 13 de Maio  de 2018 no Espaço Cultural do Centro Comercial Jardim de Copacabana, Rio de Janeiro / RJ recebendo o Diploma por sua atuação brilhante. Evento realizado pelo Saber Cultural e pela Editora Posto Seis.

Participou da Exposição de Artes Plásticas “Esporte e Arte”, valorizando o Brasil e Rússia na Copa do Mundo, realizada de 14 a 30 de Junho no Espaço Cultural do Centro Comercial Jardim de Copacabana, Rio de Janeiro/RJ.

 

Em setembro de 2020 pintou em Itapecuru Mirim na Praça Negro Cosme o mural Dom Cosme Bento das Chagas: Tutor e imperador da liberdade.

Em novembro de 2020 pintou um grandioso mural com personalidades da cultura e história maranhense no Museu da Memória Áudio Visual do Maranhão MAVAM, obra de arte de grande relevância para a Arte Maranhense.

Em Fevereiro de 2021 tornou-se membro da Academia Brasileira de Ciências, Artes, História e Literatura – ABRASCI.

De 8 de Março a 30 de abril de 2021 participou da Exposição de Arte: ELAS, realizada pela Academia Brasileira de Ciências, Artes, História e Literatura – ABRASCI no Central Plaza Shopping em São Paulo / SP. Participou da Exposição: A Arte entre Cores e Contornos, também realizada pela ABRASCI no Hotel Mercure em São Paulo/SP.

INALDO LISBOA (Francisco Inaldo Lima Lisboa) é maranhense, nascido em Itapecuru-Mirim, em 1964, onde principiou sua trajetória profissional com momentos marcantes como ator, diretor e autor teatral. Mas foi no antigo grupo CARICARETA, dirigido pelo saudoso ator Jaime Furtado que sua carreira no teatro começou a se consolidar. Graduou-se em Educação Artística, com habilitação em Artes Cênicas, pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e em Letras pelo UNICEUMA. É especialista em Língua Portuguesa pela Universidade Salgado de Oliveira e Mestre em Ciências, pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). É doutorando pela Universidade Nacional de Rosário -UNR Argentina. Desde 2015 é diretor Geral pro-tempore do IFMA Campus Itapecuru Mirim.

Desde 1995 é professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA São Campus São Luís Maracanã, ex-Escola Agrotécnica Federal de São Luiz) onde, além de suas atividades docentes, exerceu cargo de gestor (Chefe da Diretoria de Desenvolvimento Educacional, Diretor Substituto e Diretor Geral Pro-Tempore). Também desenvolveu um trabalho de pesquisa teatral com o grupo Fazend’Arte e com o qual montou vários espetáculos e conquistou prêmios no Festival Maranhense de Teatro Estudantil, promovido pelo Centro de Artes Cênicas do Maranhão (CACEM) e revelou talentos das artes cênicas. Prêmios recebidos: Melhor espetáculo, melhor diretor e melhor cenografia, com o espetáculo Modernicravizando (2006) recebendo várias vezes menção honrosa pelos textos escritos e encenados.

Foi vencedor do Prêmio Água Fonte de Vida e Desenvolvimento de 2007, na categoria texto teatral, com a peça Canto d´Água,  promovido pela Companhia de Águas e Esgotos do Maranhão – CAEMA.

 Entre suas inúmeras obras, destacam-se as peças teatrais Nossa Velha Canção (1996); Babaçu is Business (1999); Moderniscravizando (2006); Os órfãos de Ayrton Sena (2004); Trangênicos or not Transgênicos (2005); Um grito vindo do Rio Itapecuru (1997), É fogo (2009) entre outras. São também de sua autoria as peças Que Espetáculo é Esse? (1987) e O Filme de Ontem (1988), ambas encenadas pelo grupo CARICARETA e apresentadas no Teatro Artur Azevedo. Escreveu ainda Caminhos de Pedra Miúda, feita a partir de uma pesquisa sobre a história da cidade de Itapecuru-Mirim, texto encenado várias vezes pelo TEIt (Teatro Experimental Itapecuruense), grupo fundado por ele em 1982.

Publicou o livro de crônicas e contos Tudo Azul no Planeta Itapecuru, lançado em 2005 e o livro Nicéas Drumont: o gavião Vadio, prêmio Artur Azevedo, primeiro lugar teatro, no 31º Concurso Literário e Artístico Cidade de São Luís, em 2007.

No mesmo concurso também recebeu o prêmio Graça Aranha, na categoria novelas e romance, obtendo o segundo lugar com o livro de novelas, Os novos degredados do Éden. Participou da coletânea Púcaro Literário, 1ª edição (2017) e organizou, juntamente com Jucey Santana, o livro João Batista: Um homem itapecuruense e sua múltipla história, 2016.

É membro fundador da Academia Itapecuruense de Ciências, Letras e Artes (AICLA) e atual presidente durante o biênio 2020 a 2022. Também é o curador da Festa Literária de Itapecuru-Mirim – FLIM. É associado à Sociedade Brasileira de Autores Teatrais (SBAT) e a Associação Maranhense de Autores Independentes (AMEI).

Realizou também o projeto de pesquisa “Projeto Pedagógico Fazend’Arte: uma proposta de teatralidade e alfabetização cênica no cotidiano do IFMA São Luís Campus Maracanã”, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Maranhão (FAPEMA) orientando a bolsista Inaiara Costa de Brito, do IFMA Campus São Luís Maracanã.

Roteirizou e produziu o filme longa metragem Caminho de Pedras Miúda (2015), roteirizou, dirigiu e produziu os filmes No Palco com Aldo Leite (documentário em longa metragem) 2018, João Batista (documentário em curta metragem) 2016, No tempo de Abdala era Assim (documentário em curta metragem) 2018, Uma Sexta-feira em 1940 (ficção baseada em fato real curta metragem) 2018.

Em 2019 lançou os livros O último voo das andorinhas e Os novos degradados do Éden, pela Viegas Editora.

Publicações

 

Publicações

 

Maria da Assenção Lopes Pessoa. Nasceu em Itapecuru Mirim, MA - Brasil. Filha de Antônio Ferreira Lopes e Maria da Paz de Menezes Lopes. Professora com Licenciatura em Ciências pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), especialização em Biologia pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) e em Gestão, Supervisão e Planejamento Educacional pelo Instituto Educacional Superior Franciscano (IESF), escritora, poeta, pesquisadora, membro fundadora da Academia Itapecuruense de Ciências, Letras e Artes (AICLA), membro efetivo da Sociedade de Cultura Latina do Estado do Maranhão (SCLMA), membro correspondente da Academia Vargem-grandense de Letras e Artes (AVLA). Trabalhos publicados: Recordações (poesia) (Editora NELPA, São Paulo, 2011); Infanto-juvenis: José e as Três Mosqueteiras, A Princesa Sarah e o Sapo, Mirela a princesa que vivia sonhando, Os Sonhos Dourados de Amália, Sapatilhas de Pontas (Editora Gregory, São Paulo, 2015); Itapecuru Mirim, sua gente, sua história (Editora NELPA, São Paulo, 2015); Educação Sexual e Saúde Escolar; Alana, um ser de luz outros contos e poesias (Gráfica Valle – São Luís, MA, 2018); LAGUSA Poemas, orgasmos em dose dupla (Kafgráfica – São Luís MA, 2020). Participação 08 Antologias: 1ª Antologia AICLA, da Academia Itapecuruense de Ciências, Letras e Artes: org. Benedita Azevedo, 2013. Mil Poemas para Gonçalves Dias, org: Dilercy Aragão Adler e Leopoldo Gil Dulcio Vaz, 2013. Mil Poemas para Óscar Alfaro, LIBRO VIRTUAL.ORG, 2013. Mil Poemas para Gonçalves, Dias: Diário de Viagem, org: Dilercy Aragão Adler e Leopoldo (2013). Antologia de Autores Itapecuruenses, Inspirações Poéticas, org. Assenção Pessoa e Jucey Santana. Púcaro Literário I e II (2071/2018), org. Jucey Santana e João Carlos Pimentel. O Iguaraense, 175 anos de Vargem Grande, org. Jucey Santana (2020). É Membro coordenador da FESTA LITERÁRIA DE ITAPECURU MIIRIM (FLIM), e participante na aplicação da Oficina Construção de Histórias Infantis – Escrita Criativa (2018/2019); palestra tema: Educação Sexual e Saúde Escolar (2019); mediadora de mesas redondas (2020).

  • Fundador: Renêr Bandeira de Melo – renunciou à cadeira
  • Fundador: Samira Diorama da Fonseca – renunciou à cadeira
  • Membro Fundador: Jucey Santos de Santana (migrou para cadeira 01)
  • Membro Fundador: Evalto Almeida Diniz
  • Fundador: SRaimundo Nonato Lobo Castro Flilho

 

Publicações

 

 

Josemar Sousa Lima é formado em Ciências Econômicas pela UFMA, com especialização pelo PNUD, funcionário da Prefeitura de Itapecuru Mirim (1968 a 1973) e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA (1973 a 1997) sendo, nesse período, cedido ao Governo do Estado do Maranhão, onde presidiu o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão – ITERMA e o Núcleo de Programas Especiais – NEPE (1987/1989); e ao Município de São Luís (1993 a 1996), onde foi Secretário de Produção e Abastecimento da Prefeitura de São Luís. No período de 1998 a 2007 foi Coordenador-Geral dos Projetos de Cooperação Técnica do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura - IICA no Maranhão. Como voluntário foi presidente do Clube de Jovens de Itapecuru Mirim (1970/1973) a da ONG Instituto do Homem (1996/2001). É membro da Academia Itapecuruense de Ciências, Letras e Artes – AICLA, como poeta e cronista, onde ocupa a Cadeira nº 29, patroneada por Salomão Fiquene.

 

Publicações

  • Membro Fundador: André Luis da Paixão Silveira (renunciou à cadeira)

 

 

Tiago de Oliveira Ferreira é mestrando do PPGL – UFMA, professor concursado do ensino fundamental II de Língua Portuguesa de Itapecuru Mirim e Substituto da Universidade Estadual do Maranhão – UEMA campi Itapecuru Mirim, autor dos livros Caminhos do Itapecuru uma viagem pelo, Jardim do Maranhão – 2015 e Areias de Santa Rita – 2016. Participou com textos sobre povoados nas coletâneas Púcaro Literário I, II e III organizada pela Academia Itapecuruense de Ciências, Letras e Artes –AICLA, Instituição que faz parte deste 2015, tendo como Patrono Bernardo Thiago de Matos, cadeira nº 38.